01 - IMG-20240530-WA0033

Instituto Diretrizes recebe certificados da ONA por qualidade e segurança ao paciente em unidades gerenciadas.

Instituto Diretrizes recebe certificados da ONA por qualidade e segurança ao paciente em unidades gerenciadas

Documentos da Organização Nacional de Acreditação foram entregues à presidência,
diretoria e aos demais membros da equipe da matriz do ID, em São Paulo; certificações
serão encaminhadas às unidades hospitalares reconhecidas.

O diretor-financeiro Giancarlo da Silva, a presidente do Conselho de Administração do Instituto Diretrizes, Kátia Gregatti, e o diretor-executivo administrativo, José Augusto Florenzano Pinto, posam com os certificados das cinco unidades hospitalares acreditadas. Foto: Divulgação.

(São Paulo, junho de 2024) – O Instituto Diretrizes (ID) recebeu os certificados da
Organização Nacional de Acreditação (ONA) referentes às cinco unidades acreditadas
durante processo inédito de certificação em rede de serviços implementado pela
Organização Social de Saúde. A entrega dos documentos foi realizada no último dia 23 de
maio, na sede administrativa do ID, em Barueri (SP), e foi conduzida por Michel de Barros,
representante do Instituto Qualisa de Gestão (IQG), Instituição Acreditadora Credenciada
(IAC).

A acreditação comprova os padrões rigorosos de qualidade, segurança e gestão nas
unidades hospitalares gerenciadas: quatro situadas no Estado do Pará, na região Norte, e
uma em São Paulo, no sudeste brasileiro. A eficiência foi garantida a partir da
implementação da Rede Integrada de Gestão da Qualidade nessas instituições, e contou
com o IQG para a condução, implementação e acompanhamento dos processos e planos
de ação.

Os certificados foram recebidos pela presidente do Conselho de Administração, Kátia
Gregatti, bem como pelos diretores José Augusto Florenzano Pinto, Marcio Bettini, Marcelo
Fernandes, Giancarlo da Silva, Maílson Peixoto e demais membros da equipe da matriz do
ID.

Metodologia atestou a segurança e eficiência nas unidades gerenciadas pelo ID.

Em julho de 2023, iniciou-se o diagnóstico organizacional e estruturou-se o núcleo e as
equipes envolvidas no escopo do projeto. A partir de então, foram assinalados os fluxos de
integração de rede a fim de conectar as unidades com os objetivos e metas a serem
alcançados. Estabeleceram-se ainda os indicadores, ferramentas e o monitoramento dos
processos necessários ao planejamento estratégico para a oferta do cuidado centrado no
paciente, conforme a singularidade do perfil de referência de cada unidade.

O diretor operacional Marcio Bettini, o representante do IQG, Michel de Barros, o gerente médico da matriz, Antônio Pepe, o diretor administrativo, Marcelo Fernandes, e o diretor de implantação, Maílson Peixoto, posam com os certificados das cinco unidades hospitalares acreditadas em rede. Foto: Divulgação.

Ineditismo – As avaliações dos processos assistenciais e operacionais foram executadas
pela IAC e por equipe de avaliadores habilitada pela ONA. Com validade de dois anos, as
certificações reconheceram a gestão de serviços de saúde, regidos pelos mais rigorosos
padrões de qualidade e segurança na assistência. A homologação das acreditações das
unidades verificadas ocorreu em abril deste ano e foi marcada pelo pioneirismo da
certificação em rede, envolvendo cinco unidades hospitalares gerenciadas pelo grupo.

No estado do Pará, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (HOIOL), em Belém, e o
Hospital Regional Público do Leste (HRPL), no município de Paragominas, foram
certificados como acreditado pleno. Já o Complexo Hospitalar Regional de Tucuruí (HRT) e
o Hospital Regional do Baixo Tocantins – Santa Rosa (HRBT) foram acreditados no nível 1.
Situado na cidade de Barueri, em São Paulo, o Pronto-Socorro Arnaldo Figueiredo de
Freitas, também conquistou o selo nível 1.

Há mais de duas décadas, a ONA certifica Organizações de saúde e, de acordo com o
Superintendente Técnico da Organização, Dr. Péricles Cruz, a acreditação é um
reconhecimento de que a instituição atende aos rigorosos padrões exigidos pela
metodologia. “O processo de acreditação é de caráter voluntário e educativo, não
configurando uma fiscalização. No decorrer da avaliação, todas as áreas da instituição são
visitadas e mais de 1,7 mil requisitos verificados antes da homologação da acreditação”,
explicou o superintendente.

Gestão eficiente garante a qualidade dos serviços e a satisfação dos pacientes.

Para a presidente do Conselho de Administração do Instituto Diretrizes, Kátia Gregatti, o ID
valoriza a cultura do aperfeiçoamento contínuo, por meio da integração e padronização dos
processos. “A acreditação hospitalar envolve todos os agentes, desde o operacional à alta
gestão. Permite uma visão sistêmica e integrada dos setores dentro das instituições e
impulsiona tomadas de decisões consistentes para garantir a efetividade dos padrões
esperados e assim tornar a assistência cada vez mais qualificada e segura”.

“Celebramos as boas práticas e a busca incessante pela excelência dos serviços de saúde
nas unidades gerenciadas por esta Organização Social. Estamos avançando para garantir
uma assistência integral e focada no paciente, no aprimoramento do cuidado. Aproveitamos
a oportunidade para agradecer o compromisso de nossas lideranças que foram
fundamentais na execução das estratégias traçadas para reduzir riscos específicos, por
meio de cuidados de precaução e alcançarmos a maturidade processual e assistencial, que
permitem os serviços atuarem com total segurança, corroborando para a melhor experiência
dos usuários”, enfatizou a presidente.

Com o Projeto de Gestão Integrada em Rede de Serviços de Saúde do Instituto Diretrizes, o
processo de certificação evidenciou as conformidades da gestão organizacional, firmada na
qualidade, na segurança e no cuidado centrado no paciente assistido nas unidades
hospitalares gerenciadas pelo ID.

“O reconhecimento é mais que um selo. Estamos diante da ONA, uma entidade renomada
que avalia a qualidade assistencial, gestão de riscos, satisfação do usuário e a
responsabilidade social para com a população assistida em unidades de todo o território
nacional. A implementação do Projeto para a acreditação em rede não tem precedentes e
demonstra o quanto acreditamos no nosso modelo de gestão, que investe na capacitação
continuada dos profissionais e no aprimoramento contínuo das práticas, o que,
consequentemente, resulta na excelência dos processos de trabalho. Seguindo protocolos
rigorosos, beneficiamos aqueles que buscam a recuperação da saúde dentro dos padrões
de excelência”, afirmou o diretor-executivo administrativo, José Augusto Florenzano Pinto.

“A conquista da certificação pela Organização Nacional de Acreditação reconhece o
trabalho de uma grande equipe, sustentado pelo compromisso da Alta Gestão em seguir
padrões e requisitos definidos, promovendo qualidade e segurança na assistência à saúde.

Hoje, celebramos esse reconhecimento às cinco unidades que fazem parte do projeto de
Gestão Integrada em Rede do Instituto Diretrizes. Parabéns a todos os envolvidos pelo
engajamento, esforço e dedicação”, concluiu a gerente da Qualidade do Instituto Diretrizes,
Williane de Melo.

Confira a entrega das certificações das unidades acreditadas pela ONA:

Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (HOIOL) - Acreditado Nível II

O certificado do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, acreditado Nível II, foi entregue ao diretor administrativo da matriz, Marcelo Fernandes (à direita). Foto: Divulgação.

Hospital Regional Público do Leste (HRPL) - Acreditado Nível II

O certificado do Hospital Regional Público do Leste, acreditado Nível II, foi entregue ao diretor-executivo administrativo do ID, José Augusto Florenzano Pinto (à direita). Foto: Divulgação.

Hospital Regional do Baixo Tocantins - Santa Rosa - Acreditado Nível I

Membros da equipe da sede administrativa do Instituto Diretrizes posam com o certificado do Hospital Regional do Baixo Tocantins - Santa Rosa, acreditado Nível I. Foto: Divulgação.

Hospital Regional de Tucuruí - Acreditado Nível I

O certificado do Hospital Regional de Tucuruí, acreditado Nível I, foi entregue ao Diretor Marcio Bettini. Foto: Divulgação.

Pronto-Socorro Arnaldo de Figueiredo Freiras - Acreditado Nível I

O certificado do Pronto-Socorro Arnaldo de Figueiredo Freitas, acreditado Nível I, foi entregue ao diretor de implantação, Maílson Peixoto. Foto: Divulgação.

Sobre o ID – A Organização Social sem fins lucrativos Instituto Diretrizes atua no
gerenciamento e operacionalização de serviços de saúde pública. Por meio de mecanismos
inovadores, a OSS garante a assistência com reconhecida excelência organizacional nas 15
unidades gerenciadas pelo Instituto no País. O trabalho desenvolvido e acreditado reflete na
melhor experiência dos usuários nos hospitais administrados.

Colaboradores do setor financeiro da matriz prestigiaram a cerimônia de entrega e celebraram a conquista das certificações. Foto: Divulgação.
Equipe do setor de compras da sede administrativa do ID posa com as certificações das unidades acreditadas. Foto: Divulgação.
Equipe do setor administrativo da matriz também posou com os certificados das cinco unidades hospitalares acreditadas. Foto: Divulgação.
Membros dos setores de Recursos Humanos e Tecnologia da Informação da sede administrativa do ID comemoram a entrega das certificações. Foto: Divulgação.
Acompanhados do diretor José Florenzano (à esquerda) e da presidente Kátia Gregatti (ao centro), membros do setor jurídico posam com os documentos das acreditadas em rede. Foto: Divulgação.
O diretor executivo administrativo, José Augusto Florenzano (à esquerda); o gerente da Qualidade da matriz, Rhuan Marcuzzo; a gerente da Qualidade do ID, Williane de Melo; a gerente de Gestão de Desempenho, Thaiz Martin; e o gerente assistencial, Carlos Cassoli, posam com os certificados das unidades hospitalares acreditadas em rede. Foto: Divulgação.

Texto: Ellyson Ramos e Leila Cruz

hrplnew5

Higiene das mãos é pauta de campanha no Hospital Regional de Paragominas junto aos seus públicos interno e externo

Higiene das mãos é pauta de campanha no Hospital Regional de Paragominas junto aos seus públicos interno e externo

 No mês dedicado para celebração pelo “Dia Mundial da Higiene das Mãos”, comemorado, anualmente dia 5 deste mês, o Hospital Regional Público do Leste (HRPL), em Paragominas, promoveu evento destinado aos usuários, acompanhantes e colaboradores, destacando a importância dessa prática fundamental que salva vidas. A iniciativa, que aconteceu durante a última semana, foi realizada na Recepção Central do HRPL, foi conduzida pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) e pelo Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente (NQSP), com a seguinte temática: “Higiene das mãos, esta cultura precisa criar raiz”. Durante o evento, as atividades de educação em saúde abordaram o protocolo institucional de higiene das mãos, as técnicas adequadas de higienização, os momentos chave para a lavagem das mãos e a apresentação dos indicadores institucionais pertinentes. Além disso, foram realizadas dinâmicas interativas, como o jogo de “passa ou repassa”, que envolveu perguntas e respostas relacionadas ao tema, proporcionando um engajamento efetivo com os participantes. Andreza Teixeira, supervisora do SCIH, explica que a campanha teve o intuito de incentivar, além de sensibilizar os colaboradores para a realização higiene das mãos de forma correta. “A realização da higiene das mãos é a forma mais eficaz e barata para o controle de infecções. Em ambientes hospitalares, onde pacientes vulneráveis estão em constante contato com profissionais de saúde, o controle de infecções é crucial para garantir a segurança e o bem-estar dos indivíduos”. A profissional destacou ainda que, infelizmente, as infecções associadas à assistência à saúde continuam a ser uma preocupação significativa em todo o mundo, aumentando o ônus para pacientes, profissionais de saúde e sistemas de saúde como um todo. Teixeira acrescenta que quando a higiene das mãos é realizada corretamente, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras autoridades de saúde, a prática pode reduzir significativamente a incidência de Infecções Associadas à Assistência à saúde (IRAS). Dessa forma, a higiene das mãos desempenha um papel fundamental no controle de infecções hospitalares. “É uma medida simples, porém poderosa, que todos os profissionais de saúde devem praticar diligentemente em sua rotina diária de trabalho. Ao adotar e promover uma cultura de higiene das mãos nos ambientes hospitalares, podemos reduzir significativamente o risco de infecções associadas à assistência à saúde e melhorar os resultados para pacientes e profissionais, além da redução de custos relacionados a antibióticos e permanência do paciente”, finalizou. Aprovação – O paciente Alceu Antônio Auerbachv, 72 anos, atualmente internado no HRPL, expressa seu apoio à iniciativa e ressalta que a promoção da segurança do paciente é de vital importância, devendo ser continuamente incentivada no ambiente hospitalar. “Muito boa a iniciativa do HRPL, pois ajuda na qualidade dos atendimentos. Ações como essa são muito importantes e devem ser sempre realizadas. Tenho achado muito bom o atendimento do hospital, todos os profissionais, enfermeiros e médicos são muito bons, fazem um ótimo atendimento. Me sinto muito seguro. Aqui tem profissionais de primeira. Estou muito satisfeito. Minha esposa também já esteve internada aqui e foi muito bem tratada”, pontuou o aposentado. Serviço – O Hospital Regional Público do Leste é um órgão da rede de saúde do Governo do Pará administrado pelo Instituto Diretrizes, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). O HRPL fica localizado na Rua Adelaide Bernardes, s/n, no bairro Nova Conquista, em Paragominas. Mais informações pelos telefones: (91) 3739-1046 / 3739-1253 / 3739-1102.

 

Texto: Pedro Amorim 

SANTAROSA3

Semana de Promoção à Saúde encerra programação do Abril Verde no Hospital Regional Santa Rosa

Semana de Promoção à Saúde encerra programação do Abril Verde no Hospital Regional Santa Rosa

Neste mês, a campanha “Abril Verde” intensificou atividades de conscientização e prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. Uma semana inteira dedicada a Saúde e Segurança no Trabalho no Hospital Regional do Baixo Tocantins Santa Rosa, em Abaetetuba, com a realização de diversas atividades direcionadas a saúde e a integridade física, mental e social do trabalhador, contribuindo com a promoção de ambientes de trabalhos saudáveis, melhorias das relações sociais, visando uma maior qualidade de vida no âmbito do trabalho e a segurança no desempenho das atividades profissionais.

A programação da Semana da Saúde e Segurança no Trabalho foi organizada pelo Setor de Humanização em parceria com o Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT). Destacando-se algumas ações realizadas entre os dias 22 a 26 de abril: avaliação clínica; vacinação; ginástica laboral; cuidando de quem cuida; feira da segurança; café da manhã saudável e karaokê.

Avaliação Clínica – As enfermeiras Elcirlen Cruz e Roberta Carvalho iniciaram a Semana da Saúde e Segurança no Trabalho alusiva ao “Abril Verde”, com avaliações clínicas à saúde física dos colaboradores e prestadores de serviços terceirizados da unidade, possibilitando traçar o perfil epidemiológico e com os resultados obtidos, traçar ações em prol da saúde de cada um.

Vacinação – Por meio de palestras, foram intensificadas a importância das campanhas de vacinações, além da imunização da equipe com as principais vacinas do calendário adulto.

Ginástica laboral – Com a ginástica laboral em seus ambientes de trabalho, os colaboradores fizeram exercícios de alongamento; dinâmicas de relaxamento e descontração, objetivando uma melhor utilização de sua capacidade funcional para a prevenção de doenças ocupacionais. Todos os setores foram contemplados, a ação contou com a colaboração das alunas de Fisioterapia do 9° semestre da Faculdade FAM, com a supervisão do coordenador do curso, o fisioterapeuta Ronnes Azevedo.

Cuidando de quem cuida – Acadêmicos do curso de Psicologia da Faculdade ESAMAZ, coordenados pela psicóloga Débora Maria Pinto. Proporcionaram momentos de descontração, ressaltando a importância do equilíbrio entre a saúde física e mental, além da necessidade da realização de atividades de autocuidado, com orientação através do tema: “Cuidando de Quem Cuida”, valorizando suas capacidades e respeitando seus limites. Ao final da atividade, os participantes penduraram seus sentimentos no Mural das Emoções, um momento terapêutico facilitador da interação comunicativa e das expressões.

Feira da Segurança – Durante a Feira da Segurança, as técnicas de trabalho Elisabeth da Costa e Emanuele Pantoja realizaram a exposição dos EPI’s e EPC’s enfatizando a importância destes equipamentos de segurança individual e coletivo e a obrigatoriedade da utilização no ambiente de trabalho.

Café da manhã saudável – Para começar o dia, um bom café da manhã é o primeiro passo para proporcionar energia para o cérebro e manter a concentração. Com isso, na Semana da Saúde e Segurança no Trabalho a equipe da cozinha do Hospital Santa Rosa proporcionou uma mesa de café saudável para que os colaboradores começassem bem o seu dia.

Karaokê – Com o canto é possível traz diversos benefícios emocionais, físicos e sociais, estimulando a sensação de bem-estar; autoconfiança; otimismo e conforto, além de diminuir o “stress”. Através do Karaokê, os colaboradores Hospital Regional Santa Rosa encerram a Semana da Saúde e Segurança no Trabalho com momentos de muita alegria, união e diversão.

Para a enfermeira do Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) Elcirlen Cruz, na Semana da Saúde e Segurança do Trabalho do Hospital Santa Rosa promovemos diversas ações voltadas aos trabalhadores, proporcionando momentos agradáveis no ambiente de trabalho. “Temos a certeza que a programação, foi uma iniciativa para a criação de uma cultura de segurança e valorização dos nossos colaboradores”, enfatizou a enfermeira.

Texto: Wellington Hugles/ASCOM/HRBTSR

hrplnews2

Profissionais do Hospital Regional de Paragominas abordam prevenção à doença hipertensiva

Profissionais do Hospital Regional de Paragominas abordam prevenção à doença hipertensiva

O “Dia de Prevenção à Doença Hipertensiva”, comemorado na última sexta-feira (26), é uma data dedicada a conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção e do controle da hipertensão arterial, uma condição caracterizada pelo aumento persistente da pressão sanguínea nas artérias. Nesse sentido, profissionais do Hospital Regional Público do Leste, em Paragominas, esclarecem e indicam fatores associados ao desenvolvimento da doença.
Wallace Tavares, médico cardiologista do HRPL, explica que a Hipertensão, ou pressão alta, como popularmente é conhecida, consiste na pressão arterial, sistematicamente, igual ou superior a 140 por 90 milímetros de mercúrio. Além disso, diz que a pressão arterial pode se elevar por vários motivos, mas, principalmente, pela vasoconstrição, isso é, a contração dos vasos sanguíneos.
“O coração pode ser comparado a uma torneira ligada a vários esguichos. Se fecharmos a ponta de um dos esguichos, a pressão aumenta. O mesmo acontece quando o coração bombeia sangue, se os vasos são estreitados, a pressão sobe”, pontuou.
O médico acrescenta que a doença hipertensiva, na maior parte dos casos, é herdada dos pais, mas também pode ser consequência de um distúrbio da tireoide ou de glândula endocrinológicas, como a suprarrenal.
“Entretanto há vários outros fatores que influenciam os níveis de pressão arterial, como: o tabagismo; consumo de bebidas alcoólicas; obesidade; estresse; grande consumo de sal; níveis altos de colesterol; falta de atividade física; diabetes e sono inadequado. Pessoas em idade adulta devem medir a pressão pelo menos uma vez por ano como forma de acompanhamento. Além disso, devem ser adotados hábitos de vida saudáveis para prevenir a hipertensão, como a alimentação saudável e a prática de atividades físicas”, finalizou Wallace Tavares.
Brenda Camelo, Nutricionista do Hospital Regional do Leste, comenta que a alimentação adequada possui um papel fundamental na prevenção dessa doença, pois o sobrepeso e a obesidade podem acelerar em até 10 anos o aparecimento da hipertensão. Além disso, enfatiza que o consumo exagerado de sal, associado a hábitos alimentares não adequados também colaboram para o surgimento da hipertensão.
“O Dia de Prevenção à Doença Hipertensiva tem o objetivo de conscientizar a população sobre a doença, além de estimular o diagnóstico precoce e o seu tratamento. Os sintomas iniciais são caracterizados por tontura, falta de ar, palpitações, dor de cabeça frequente e alteração na visão, entretanto, às vezes, a doença é silenciosa, por isso é importante medir regularmente a pressão arterial”, enfatizou.
Ela acrescenta que, no Hospital Regional Público do Leste do Pará, o Serviço de Nutrição Dietética (SND), bem como o Serviço de Nutrição Clínica (SNC), trabalham em conjunto fornecendo uma alimentação baseada nos princípios da alimentação saudável aos usuários internados. Menciona, também, a avaliação do estado nutricional feita diariamente pelas nutricionistas clínicas e as capacitações para a equipe da produção das dietas a fim de ofertar dietas adequadas, principalmente para pacientes com complicações crônicas, como a hipertensão arterial.
“No momento da alta hospitalar, o paciente recebe orientação nutricional adequada à prevenção e tratamento da hipertensão com informações que irão ajudar a fazer escolhas alimentares mais saudáveis, que ajudará no controle da doença”, esclareceu a nutricionista.
Valdeci Galdino, de 57 anos, é um dos usuários do HRPL que vivem com hipertensão, ele diz que descobriu a pouco tempo e que é uma doença que exige uma atenção maior a saúde, carecendo de algumas adaptações no estilo de vida.
“Eu mesmo tenho pressão alta e ainda preciso conhecer um pouco mais da doença, mas sei que traz muitos malefícios, como o Acidente Vascular Cerebral (AVC). Deve-se evitar consumir muito sal, beber bastante água e cuidar da saúde. Iniciativas que abordem a hipertensão são muito importantes, pois, com as informações, nós conseguimos saber os riscos que corremos e como evitar a doença”, disse o agricultor.

Serviço – O Hospital Regional Público do Leste é um órgão da rede de saúde do Governo do Pará administrado pelo Instituto Diretrizes, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).
O HRPL fica localizado na Rua Adelaide Bernardes, s/n, no bairro Nova Conquista, em Paragominas. Mais informações pelos telefones: (91) 3739-1046 / 3739-1253 / 3739-1102.

Texto de Pedro Amorim

 

hoiol262

Hospital Oncológico Infantil lança projeto de sustentabilidade hospitalar ​

Hospital Oncológico Infantil lança projeto de sustentabilidade hospitalar

Para reduzir os impactos ambientais causados pelas atividades indispensáveis à promoção da saúde, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (Hoiol) lançou a “Blitz Sustentável”. Desenvolvido pelas Comissões de Sustentabilidade e de Gerenciamento de Resíduos da unidade, o projeto busca promover a educação permanente direcionada à sustentabilidade, por meio de evidências e práticas intervencionistas voltadas à redução de alterações que afetam  o meio ambiente.

A sustentabilidade é uma das principais preocupações do cenário global na atualidade, e, cada vez mais, as instituições do setor de saúde mostram-se comprometidas com a temática. Para tanto, buscam estratégias que otimizem a gestão de recursos e minimizem os impactos ao meio ambiente sem comprometer a assistência. Um compromisso assumido pela gestão do Hoiol, antes mesmo de integrar a organização não governamental Projeto Hospitais Saudáveis (PHS) e que levou a unidade de saúde pública estadual a receber a menção honrosa do Prêmio “Amigo do Meio Ambiente 2023”, em São Paulo.

A presidente da Comissão de Sustentabilidade, Natacha Cardoso, explica que “as ações socioeducativas buscam promover uma cultura de responsabilidade socioambiental entre os colaboradores dos diferentes níveis de gestão”. Segundo ela, “a educação continuada direcionada aos profissionais da unidade trabalha os aspectos econômicos, sociais e ambientais da sustentabilidade, os quais são indispensáveis para a longevidade de qualquer instituição, pública ou privada e, no ambiente hospitalar, pode beneficiar pacientes e profissionais da saúde”.

Outros projetos desenvolvidos no Hoiol utilizam a reciclagem de resíduos não contaminados do grupo D para a criação de brinquedos e jogos educativos no ateliê localizado no segundo andar, assim como para a produção de bijuterias pelos alunos e responsáveis, na Classe Hospitalar Professor Roberto França. Também são promovidas campanhas em conformidade com o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do hospital.  

“O Projeto ‘Blitz Sustentável’ aplica o aspecto econômico da Política Institucional de Sustentabilidade do Hospital Octávio Lobo. Todo o quadro funcional, desde o operacional à alta gestão, é orientado sobre a importância da segregação e descarte correto de resíduos, e o uso consciente da água, energia elétrica e descartáveis durante as atividades laborais diárias. São atitudes que não somente reduzem custos operacionais, mas também contribuem para a preservação do meio ambiente”, disse Natacha Cardoso.

Em reuniões periódicas, as comissões discutem os efeitos ambientais e financeiros gerados para a instituição. E, pelo menos uma vez ao mês, realizam visitas in loco para avaliar as não conformidades encontradas nos setores e, posteriormente, apresentam as oportunidades de melhorias junto às equipes.

Natacha explica que não se trata de uma auditoria de cunho punitivo, mas de uma oportunidade de aprendizado diário ao despertar o sentimento de pertencimento e responsabilidade dos colaboradores. “Usamos um formulário eletrônico com algumas perguntas-chave, mostramos a fotografia composta durante a visita e damos a oportunidade da equipe observar aquele cenário e refletir sobre os problemas encontrados no serviço e quais atitudes devem ser tomadas para sanar tais situações”, explicou.

“As perguntas nos mostraram que devemos ter mais cuidado com o consumo de recursos, manter o local organizado e não só do nosso setor, mas em toda a unidade. Precisamos ser conscientes e evitar desperdícios que podem prejudicar o meio ambiente”, disse o supervisor de Tecnologia da Informação, Fernando Ribeiro.

Os resultados alcançados são analisados a partir do monitoramento dos indicadores e, mensalmente, é divulgado o ranking dos setores que mais aderiram às boas práticas. “A ideia é sempre enfatizar que preservar o ambiente para gerações futuras é um dever de todos”, concluiu Natacha.

Texto: Leila Cruz – Ascom/Hoiol

hoiol256

Oncológico Infantil arrecada 181 bolsas de sangue durante 15ª campanha solidária

Oncológico Infantil arrecada 181 bolsas de sangue durante 15ª campanha solidária

Programação diversificada sensibilizou o público sobre a importância das doações para o tratamento oncológico dos usuários da instituição

Em uma demonstração de solidariedade e apoio à causa oncológica, doadores de sangue compareceram à campanha realizada, na sexta-feira (26), no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (Hoiol), em Belém. A 15ª edição do evento, realizado em parceria com a Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), superou a meta estabelecida de 100 bolsas, e registrou 242 comparecimentos alcançando 181 doações.

A campanha, que durou pouco mais de dez horas, reuniu colaboradores, voluntários e familiares dos usuários. Todos se empenharam para doar ou captar potenciais doadores de todas as idades que transitavam na travessa 14 de Abril, endereço do Hospital. A diretora-geral da unidade, Sara Castro, agradeceu o empenho dos participantes, doadores, e ressaltou a parceria com a Fundação Hemopa para o sucesso da campanha. “O Hospital Octávio Lobo reforça, rotineiramente, seu compromisso em prestar a melhor assistência aos usuários. E com esse apoio contínuo da Fundação Hemopa, conseguimos realizar campanhas extremamente relevantes para a captação e sensibilização de doadores regulares. A generosidade de todos que abraçam a causa é inspiradora, principalmente, porque sabemos que essas bolsas de sangue são fundamentais durante o tratamento oncológico”, afirmou a diretora do hospital Sara Castro.

As campanhas regulares do Oncológico Infantil buscam garantir o abastecimento contínuo de sangue para os pacientes que dependem do suporte hematológico durante procedimentos médicos, transfusões e terapias que fazem parte do tratamento contra o câncer.

“Estamos muito felizes por mais essa campanha. Gratidão aos vizinhos, parceiros, voluntários e doadores que vieram e contribuíram. Doar sangue é um ato de amor, solidariedade e empatia que dura minutos e que pode salvar até quatro vidas. Nosso compromisso é incentivar a doação, mas principalmente, conscientizar a população sobre a importância de nos tornarmos doadores regulares”, afirmou Márcio Moraes, coordenador do Serviço de Apoio ao Diagnóstico Terapêutico do Hospital Octávio Lobo, enquanto enfatiza o tema da campanha, “quando você doa sangue, a brincadeira continua”.

Mãe de paciente oncológico, a professora Daniela Santos, 32 anos, conta que liderou, entre familiares e amigos, diversas campanhas de doações de sangue em prol do filho, Elias, de 9 anos, e aproveitou o evento desta sexta-feira para doar pela primeira vez. “O sangue é valioso demais no tratamento das crianças e, com o meu filho, não foi diferente. Ele precisou de várias transfusões e eu sempre pedia a familiares e amigos para doar. Hoje eu consegui me tornar doadora também. A doação dá oportunidade às nossas crianças e, ao doar, estamos dizendo a elas ‘eu estou lutando com vocês’”, disse.

“Além de ser ato de solidariedade e de amor ao próximo, doar me traz a certeza de que meu gesto pode gerar muitos sorrisos. E como colaboradora desta unidade de saúde, sei o quanto essas crianças precisam dessas doações. Para aquelas pessoas que têm vontade de doar e nunca doaram, eu só tenho a dizer que esse simples gesto pode salvar vidas e prolongar os sorrisos de quem precisa e alegrar os corações dos que os amam”, completou a enfermeira do Hoiol, Anne Teixeira, que aproveitou a campanha para doar. 

Performances – Com programação diversificada, apoiada por um vasto time de artistas locais voluntários, o Hospital tornou o processo de doação ainda mais acolhedor e animado. Participaram da programação, Paulo Kamello, DJ Ruano, Daltom Mágico, Palhaço Maluquinho, Tio Bala, Pernaltas, Arthur Cavalléro, Keiziane Carvalho da banda Pop Show, Lambada Social Club, Potentes do Brega e Banda Tapiokids. O mascote do Paysandu, o Lobo Mau, e representantes do clube paraense também marcaram presença e entregaram brindes aos usuários.

O hospital ressalta que aqueles doadores que não puderam comparecer à instituição podem ir a qualquer posto de coleta do Hemopa e informar o código do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo: 1766. O processo de doação de sangue é simples e seguro. Para doar, é preciso, dentre outros critérios, ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50kg e estar bem de saúde e alimentado. É obrigatório portar documento de identidade com foto e, em caso de adolescentes de 16 e 17 anos, estar acompanhados de um responsável legal.

“Em nome da Fundação Hemopa, eu agradeço a presença de todos nessa campanha. Para o Hemopa é desafiador e, ao mesmo tempo, muito gratificante estar em um evento da proporção que são as campanhas do Hoiol. Parabéns pelo apoio diário, mobilização e adesão. Que a cada evento a gente consiga coletar mais bolsas de sangue para atender todos os pacientes da rede de saúde do nosso Estado”, discursou a assistente social Camila Medina, da Gerência de Captação de Doadores.

Serviço: Credenciado como Unidade de Alta Complexidade em Oncologia, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo é referência na região Norte no diagnóstico e tratamento especializado do câncer infantojuvenil, na faixa etária entre 0 a 19 anos. A unidade é gerenciada pelo Instituto Diretrizes, sob o contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública, e atende pacientes oriundos dos 144 municípios paraenses e estados vizinhos.

hoiol250

Histórias cantadas e árvore da leitura marcam a celebração do Dia do Livro no Oncológico Infantil

Histórias cantadas e árvore da leitura marcam a celebração do Dia do Livro no Oncológico Infantil

Em ação literária, colaboradores e voluntariado se uniram na conscientização da importância da leitura para o desenvolvimento humano

Passatempos que oferecem benefícios que vão da Educação à inspiração, a leitura e a música foram utilizadas durante a ação alusiva ao Dia Nacional do Livro Infantil – 18 de abril, no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (Hoiol), em Belém. O evento celebrou a data, que presta homenagem a Monteiro Lobato, pioneiro na literatura infantil no Brasil, e destacou a importância da literatura no processo de recuperação e bem-estar emocional dos usuários.

Ainda durante a atividade, os organizadores presentearam os pacientes com livros, um incentivo à leitura e um entretenimento transformador e redutor de estresse. Conforme a pedagoga Joyce Wanzeler, que integra o setor de Humanização, “a prática estimula a criatividade e a imaginação”, além de ajudar no desenvolvimento

integral e, por meio de ações como essa, constrói laços de afetividade.

“Em um ambiente hospitalar, esse contato com a literatura, por meio de músicas, conversas e interações criativas, enriquecem a experiência no hospital. Abordamos os animais, que são elementos muito presentes nas produções infantojuvenis e os trouxemos na nossa caixa musical, com discos temáticos. Participaram crianças, adolescentes e as próprias mães, que recordaram ou aprenderam várias cantigas. Foi uma ação muito interessante, descontraída e produtiva”, afirmou a colaboradora.

Joyce define os livros como “uma fonte valiosa de conforto, companhia e aprendizado em todas as áreas do conhecimento”. Conhecimento esse perpetuado com o hábito passado de geração em geração. “Os livros, a contação de histórias e a musicalização estão muito presentes no dia a dia das crianças no hospital. Construímos uma árvore literária com figuras da natureza e no lugar de frutos, colocamos livros. E, por meio dessa metáfora, explicamos a importância desse ‘fruto’, enquanto ‘alimento’ para o conhecimento e para o desenvolvimento de todos nós”, justificou.

Voluntário na ação, o cientista e educador ambiental, Cezar Silva, de 37 anos, revela que, além dessa experiência com atividades musicais e literárias para crianças em tratamento oncológico, já atuou em atividades em comunidades ribeirinhas. Relatando experiências com educação ambiental e manejo de fauna silvestre, ele confessa fazer uso do talento e profissionalismo na música e na fotografia em trabalhos voluntários que participa.

“A experiência foi muito gratificante e pretendo continuar no voluntariado. Considero a data importante para o incentivo à leitura e, com uma programação lúdica, é possível envolver mais as crianças e seus acompanhantes. Eles chegam tímidos e calados, mas no decorrer da programação, começaram a interagir bastante conosco. A música e a leitura juntas representam conhecimento, evolução, lazer, diversão e acolhimento”, afirmou Cezar.

Peculiaridade – Nas sessões de leitura e estímulo mental, os convidados da ação puderam abordar personagens favoritos e emblemáticos dos contos regionais. “Fizemos uma roda de leitura na qual cada acompanhante, criança e adolescente pode ler um pedacinho de uma história. Eles tocaram no livro físico, ampliando o contato e o prazer da leitura. Lemos clássicos, como a história Os Três Porquinhos, mas também trouxemos as lendas amazônicas. As crianças perguntaram pela Iara, Cobra Grande e Boto-cor-de-rosa. Momentos de conhecimento e diversão que amenizam os efeitos da hospitalização e das longas internações”, finalizou Joyce.

O bragantino Paulo Henrik da Costa, 10 anos, acompanhou a ação ao lado da mãe, Ellen dos Remédios, 30 anos. O garoto, que adora ler livros físicos, não conteve a alegria de compartilhar historinhas com colegas de internação. “É porque gosto de pegar nas capas dos livros, me chamam a atenção. Eu gosto de ler e quando eu começo, lembro muito da minha mãe. Ela lê histórias bíblicas para mim. Já fui à biblioteca daqui (do hospital) e já li livros de ação e de Jesus. É muito legal”, afirmou o menino.

Texto: Ellyson Ramos (Ascom/Hoiol)

hoiol253

Hospital Oncológico Infantil celebra povos indígenas

Hospital Oncológico Infantil celebra povos indígenas

Durante a atividade, foram exibidas algumas peças de artesanato, alimentos e ervas medicinais utilizadas no dia a dia dessa população para crianças e acompanhantes

Para marcar o Dia dos Povos Indígenas, celebrado nesta sexta-feira, 19, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (Hoiol), em parceria com a Casa de Saúde Indígena (Casai), promoveu uma exposição para apresentar e valorizar a diversidade cultural dos povos originários. Durante a atividade, os profissionais da Casai exibiram algumas peças de artesanato, alimentos e ervas medicinais utilizadas no dia a dia dessa população para crianças e acompanhantes.

“É necessário educar as crianças sobre a população indígena, porque elas são o futuro do amanhã, nossos futuros médicos, nossos futuros advogados. Mostramos um pouco dos nossos hábitos e costumes e balançamos o maracá, instrumento utilizado em nossos rituais de música e dança. Isso representa muito para nós, a nossa vida, o ar que respiramos”, disse o enfermeiro da Casai, Raimundo Tembé.

O Hoiol busca fortalecer a relação de colaboração com a Casai visando prestar uma melhor assistência às crianças e adolescentes de diversas etnias que passam por tratamento de alta complexidade em oncologia. A harmonia entre as instituições de saúde é fundamental para facilitar o acesso ao diagnóstico e às intervenções terapêuticas utilizadas no combate ao câncer.

A coordenadora de Humanização do Hoiol, Natacha Cardoso, enfatiza a importância da inclusão dos agentes indígenas nas práticas de atenção à saúde, com o intuito de garantir aos povos de diferentes etnias o exercício da cidadania. “A população brasileira é formada por muitas raças, muitas cores e muitas culturas, portanto o hospital, enquanto instituição de saúde, busca conscientizar sobre o respeito a essa diversidade e promover a equidade, a fim de reconhecer o direito de cada um”, afirmou.

“A população indígena tem o direito a um atendimento prioritário e digno, conforme a cultura dessas pessoas. Estamos buscando evoluir no atendimento a essa cultura, porque entendemos que existe uma diversidade social, cultural e histórica que tornam esses povos mais vulneráveis aos agravos de saúde. E para prestarmos um melhor acolhimento sem fugir do plano terapêutico, contamos com o apoio do Serviço Social da Casai”, enfatizou.

“Desde 2020 esse diálogo e a interação com as equipes multidisciplinares do hospital vem se fortalecendo a cada dia. A nossa assistente social faz essa intervenção quando necessário, mas quando os indígenas não aceitam ou colaboram com o tratamento, os enfermeiros indígenas entram em ação.  Isso porque eles depositam uma confiança maior em nós.  E estarmos inseridos nesse contexto de assistência à saúde do nosso povo nos deixa honrados”, destacou o enfermeiro da etnia Tembé.

Ele ressalta que existe uma dificuldade para os povos originários entender o câncer e todo o contexto de intervenções terapêuticas que envolvem a doença. “Nosso povo vive na aldeia, está habituado à liberdade para andar e viver sem restrições. E quando alguém recebe o diagnóstico do câncer, fica retido no tratamento, em uma casa de saúde onde já não tem uma vida livre para brincar em razão da quimioterapia, da radioterapia”, explicou. 

Somado a isso, existem os efeitos colaterais como a perda do paladar e do cabelo, além da mudança na alimentação que interferem na melhor adesão à realidade do adoecimento. “Para um indígena habituado a viver livre no seu habitat, onde faz o que quer e corre para onde quer, a hospitalização é um desafio muito grande.  Não só para ele, enquanto usuário de saúde, mas para a equipe assistencial fazer uma manobra para que o tratamento seja eficaz. Não é que a gente não consiga, mas existem peculiaridades, como a língua, hábitos e costumes”, esclareceu Raimundo Tembé.

Amostra – A brinquedista da Humanização, Bruna Dias, informou que uma pesquisa foi realizada para trabalhar a temática do dia comemorativo no ambiente hospitalar. “Percebemos que muitas informações estavam erradas e que até existe a questão de apropriação da cultura de forma incorreta. Então decidimos aprofundar esse estudo sobre nossas raízes e fizemos o convite aos profissionais da Casai para que pudessem conduzir a atividade a partir do ponto de vista da população indígena, apresentar os costumes e saberes, bem como lembrar sobre os direitos e o início da história da população brasileira”.

O lavrador Miguel Lourenço Neto, 42 anos, reside no município de São Félix do Xingu com o filho Miquéias Lima, que atualmente está internado no hospital e aguarda o fechamento do diagnóstico. Ele interagiu com os profissionais da Casa de Saúde Indígena e sinalizou que muitos aspectos do cotidiano dos paraenses foram absorvidos pela cultura dos povos originários.

“A programação ensinou as crianças e nos ajudou a conhecer mais sobre uma cultura que está enraizada no nosso cotidiano, como comer mandioca, farinha. Moramos na região amazônica e existem bastante indígenas na região do Xingu, mas aprendemos com eles a como viver no Brasil”, disse Miguel.

Serviço – Credenciado como Unidade de Alta Complexidade em Oncologia, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo é referência na região Norte no diagnóstico e tratamento especializado do câncer infantojuvenil, na faixa etária entre 0 a 19 anos. A unidade é gerenciada pelo Instituto Diretrizes, sob o contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública, e atende pacientes oriundos dos 144 municípios paraenses e estados vizinhos.

image_123650291hrpl3

HRPL destaca protocolos para a prevenção de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde 

HRPL destaca protocolos para a prevenção de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde

Os protocolos de prevenção de infecções hospitalares são fundamentais para garantir a segurança dos pacientes, visitantes e profissionais de saúde dentro do ambiente hospitalar. Nesse contexto, o Hospital Regional Público do Leste, em Paragominas, destaca os principais protocolos para a prevenção de casos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) na unidade, que possui taxa de incidência de infecção média de 0,90% nos primeiros três meses de 2024. Andreza Teixeira, supervisora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), explica que o SCIH é composto por mais duas profissionais, Tamyres Gomes, técnica de Enfermagem e a médica infectologista Giovana Tiezzi, que realizam treinamentos todos mensais para os colaboradores abordando os protocolos e manuais do HRPL, capacitando os profissionais para um atendimento cada vez mais seguro. Segundo a profissional, o SCIH atua no controle de infecção hospitalar, que está principalmente relacionada ao uso de dispositivos invasivos. Por isso, todos os manuais do HRPL estão de acordo com as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que é a referência para os protocolos. “Hoje, o HRPL possui um perfil cirúrgico e, por isso, temos o nosso manual de prevenção de infecções relacionadas às cirurgias. Nele, é descrito todas as etapas que se deve seguir para prevenir possíveis infecções. Esse protocolo aborda desde a acolhida do usuário até sua alta”, explicou. Andreza Teixeira comenta que o HRPL possui instrução de biossegurança que, em parceria com o Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT), é utilizado como base de capacitações sobre biossegurança na assistência aos usuários. Ela detalha ainda que e relação ao indicador de taxa global de infecção do HRPL, a unidade se manteve estável, alcançando reduções no índice de infecções. Este ano, o SCIH intensificou ações e, disso, foi registrado a redução na taxa de infecção hospitalar. “Isso é resultado da adesão da equipe assistencial aos protocolos e manuais. No mais, a gente tem o nosso Programa de Controle de Infecção Associada à Assistência à Saúde, que a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), preconiza em todas as unidades hospitalares. Esse protocolo descreve as metas na redução de infecções e, nesse programa, o SCIH do hospital regional do leste projeta suas expectativas anuais”, finalizou Teixeira. Aprovação – Marcos da Silva, de 30 anos, comenta que se sente seguro, bem tratado e acolhido no HRPL e elogia a unidade por seus protocolos, pois são muito importantes para a segurança dos pacientes. “Hospitais possuem muitas fontes de contaminação e, aqui no hospital Regional de Paragominas, eu percebo o cuidado da equipe na utilização de equipamentos de proteção, higiene, cuidado com os dispositivos. Minha estadia tem sido ótima, me sinto como se estivesse em um hotel. Quando preciso de algum atendimento específico da equipe, eu solicito e tão logo sou atendido. Todos os profissionais atendem muito bem, estou satisfeito”, enfatizou o vendedor. Dentre os principais protocolos e manuais, a supervisora destaca os principais do Hospital Regional Público do Leste: Manual de saneamentos: utilizado pela equipe de hotelaria. Esse manual elenca os produtos que podem ser usados para a limpeza da unidade e em que áreas serão aplicadas; Manual de controle de surtos de infecção: guia para investigar as causas de novas infecções ou do aumento de infecções por uma doença; Protocolo de prevenção de Sepse: o HRPL possui um time de sepse, o qual se reúne mensalmente à diretoria do hospital, profissionais do laboratório, farmácia, coordenação de enfermagem e médicos para debater a melhor forma de prevenir a sepse. Mensalmente, o time se reúne para promover esse debate e, principalmente, buscar as principais falhas na não-adesão ao protocolo; Manual de prevenção de Infecção de Trato Urinário (ITU): tem o intuito de instruir o processo de manuseio dos materiais e os cuidados que se deve ter para evitar ITU nos usuários internados; Protocolo de precaução e isolamento: diariamente há o monitoramento dos pacientes internados, verificando se ele tem critério o isolamento, evitando a infecção cruzada dentro do nosso hospital; Manual de prevenção de pneumonia associada a ventilação mecânica: preconiza as normas técnicas da Anvisa na operacionalização dos insumos necessários para a admissão de usuários na ventilação mecânica. Serviço – O Hospital Regional Público do Leste é um órgão da rede de saúde do Governo do Pará administrado pelo Instituto Diretrizes, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). O HRPL fica localizado na Rua Adelaide Bernardes, s/n, no bairro Nova Conquista, em Paragominas. Mais informações pelos telefones: (91) 3739-1046 / 3739-1253 / 3739-1102.

 

Texto de Pedro Amorim

 

Foto: Enfermeira e Técnica de Enfermagem do SCIH com o usuário Marcos da Silva.

santarosa20

ESTÁGIO: Hospital Regional Santa Rosa recepciona 1ª Turma de Acadêmicos de Enfermagem

ESTÁGIO: Hospital Regional Santa Rosa recepciona 1ª Turma de Acadêmicos de Enfermagem

23 acadêmicos do 9º semestre do Curso de Enfermagem da Faculdade ESAMAZ iniciam neste mês de abril o primeiro Estágio Curricular Obrigatório Supervisionado no Hospital Regional do Baixo Tocantins Santa Rosa.

O Hospital Regional do Baixo Tocantins Santa Rosa (HRBTSR), em conjunto com o Núcleo de Educação Permanente (NEP), realizou a Integração Institucional e Setorial de 23 acadêmicos do 9º semestre do Curso de Enfermagem da Faculdade ESAMAZ, que iniciam neste mês de abril a 1ª Turma de Estágio Curricular Obrigatório Supervisionado.

Durante a palestra de Integração Institucional e Setorial, realizada no auditório do Hospital Santa Rosa, os acadêmicos receberam orientações voltadas as normas e rotinas na unidade hospitalar. Na oportunidade, à equipe assistencial e administrativa; coordenações setoriais; enfermeiros, técnicos de enfermagem e os profissionais que compõem a equipe do Hospital Santa Rosa, se apresentaram aos estudantes, foram abordados ainda, temas voltados a prevenção de infecção hospitalar; segurança no processo assistencial; cuidados com o uso de Equipamentos de Proteção Individual; como fazer a evolução adequada e correta nos prontuários; e normas gerais do hospital e do Instituto Diretrizes – organização social que administra a unidade de saúde desde a sua inauguração, em 2020.

O Diretor Geral do Hospital Santa Rosa, Claudemir Guimarães, esclarece que, “essa integração com as faculdades são super importante, pois, os profissionais estarão integrados com a teoria da sala de aula e a prática nesta unidade hospitalar”. Recebendo as orientações necessárias de nossos profissionais experientes, que possui toda capacidade de repassar os conhecimentos vivenciados no dia a dia da unidade a eles. Fazendo, que estes possam, de fato, estar habilitados a cuidar dos pacientes, conforme as boas práticas assistenciais. “Ou seja, o HRBTSR, estará contribuindo para com toda a sociedade, ajudando a entregar profissionais preparados nos cuidados a saúde dos usuários”, garantiu o diretor.

A profissional em enfermagem do Núcleo de Educação Permanente – NEP, Roberta Carvalho, enfatizou, “a integração institucional e setorial dos estagiários em formação no Hospital Santa Rosa é um aspecto fundamental para o desenvolvimento profissional e o aprendizado, sendo o começo da integração do acadêmico ao convívio hospitalar, assim, juntos, buscarmos a excelência no atendimento humanizado dos pacientes, com toda segurança, ética e o sigilo profissional”, assentou.

Segundo Antonilda Pinheiro, auxiliar administrativa que compõem a equipe do NEP, “o processo de integração, visa uma compreensão mais abrangente das diferentes áreas e práticas no campo da enfermagem, preparando-os para enfrentar os desafios e demandas específicas diárias de cada setor”, ressaltou.

Anderson Pantoja, diretor de Enfermagem do Hospital Santa Rosa, avaliou que, “o início das atividades acadêmicas no Hospital Santa Rosa, reforça a importância da unidade hospitalar para a região, sendo um marco histórico do compromisso do governo do Pará, com as melhorias à saúde e atenção na educação”. O estágio de enfermagem visa a conexão entre ensino e saúde, consolidando profissionais mais capacitados, com senso crítico mais aguçado para os atendimentos aos usuários do Sistema Único de Saúde – SUS. “É fundamental essa etapa que vem se construindo no Hospital Santa Rosa, nas atuações de saúde, para podermos entender as necessidades da população da região do Baixo Tocantins. Celebramos com o início do estágio, mais uma etapa de melhoria ao hospital, que venham muitas outras turmas em diversos cursos na área da saúde”, assegurou Anderson Pantoja.

A estudante de enfermagem, Rillary Rodrigues Maués, aguarda apreensiva o começo do estágio. “Estamos no 9º semestre, este é um momento fundamental na nossa formação profissional. Aqui no Hospital Santa Rosa somos a turma pioneira, na prática de formação profissional, seguiremos com dedicação todas as rotinas dos atendimentos, desde o acolhimento, até a alta médica, além de podermos vivenciar experiências em uma unidade de referência a toda a região do Baixo Tocantins, com profissionais capacitados e comprometidos com o bem-estar de todos os usuários”, enfatizou a estagiária.

O HOSPITAL – Referência em atendimentos de média e alta complexidade na região do Baixo Tocantins, o Hospital Regional Santa Rosa, HRBTSR, é administrado pelo Instituto Diretrizes, em gestão compartilhada com a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa).

Texto: Wellington Hugles/ASCOM/HRBTSR

Texto de Pedro Amorim 

image_123650291-hrpl

Gestão do Regional do Leste encerrou comemoração à Páscoa junto a usuários, acompanhantes e visitantes

Gestão do Regional do Leste encerrou comemoração à Páscoa junto a usuários, acompanhantes e visitantes

No final de semana, o Hospital Regional Público do Leste (HRPL), em Paragominas, encerou, por meio da Comissão de Humanização (CH), programação alusiva à Páscoa, comemorada neste domingo (31). Dentre as atividades, o momento contou com espiritualidade, cantada de Páscoa e dança na Recepção Central do HRPL, destinadas aos usuários, acompanhantes e visitantes do hospital. Lohana Cristine, vice-presidente da Comissão de Humanização, explica que estar hospitalizado pode ser uma experiência desafiadora emocionalmente e que a realização de atividades festivas, como cantadas de Páscoa e danças, podem ajudar a elevar o ânimo dos pacientes, acompanhantes e visitantes, proporcionando-lhes um momento de descontração e alegria durante sua estadia no hospital. “Ao oferecer atividades que vão além do aspecto estritamente clínico, como cantadas e danças, o hospital demonstra preocupação com o bem-estar integral dos pacientes e busca humanizar o ambiente hospitalar, tornando-o mais acolhedor e compassivo”, pontuou. Ela acrescenta que para muitas pessoas, a Páscoa é uma época de significado espiritual profundo. A inclusão de momentos de espiritualidade na programação pode oferecer conforto e apoio emocional, especialmente para aqueles que estão enfrentando desafios de saúde. “A Páscoa é uma época de celebração para muitas pessoas. Oferecer uma programação especial pode permitir que os pacientes e seus acompanhantes participem das festividades, mesmo que estejam em um ambiente hospitalar”, finalizou Lohana Cristine. Aprovação – O usuário internado Valdemir Fideles, de 64 anos, teve uma impressão positiva sobre a iniciativa, enfatizando a importância do cuidado amoroso e compassivo dos profissionais, tanto para os pacientes quanto para seus acompanhantes. “Eu achei muito favorável a iniciativa. São muito importantes ações como essa, pois manifesta para os pacientes e seus acompanhantes o amor e carinho que o hospital promove. A ação é importante porque a vida é importante. Muito obrigado!”, finalizou o pedreiro. Serviço – O Hospital Regional Público do Leste é um órgão da rede de saúde do Governo do Pará administrado pelo Instituto Diretrizes, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). O HRPL fica localizado na Rua Adelaide Bernardes, s/n, no bairro Nova Conquista, em Paragominas. Mais informações pelos telefones: (91) 3739-1046 / 3739-1253 / 3739-1102.

 

Texto de Pedro Amorim 

santarora10

Teatro de Fantoche encenou à história da Páscoa no Hospital Santa Rosa

Teatro de Fantoche encenou à história da Páscoa no Hospital Santa Rosa

Manter a tradição e observar a alegria dos pacientes internados, seus acompanhantes e toda a equipe profissional. Estes foram os principais motivos que o setor de Humanização do Hospital Regional Santa Rosa juntamente com o grupo de voluntários UCIEDA, promoveram na última quinta-feira, 28/03, apresentação musical e um teatro de fantoche sobre “A Verdadeira História da Páscoa”.

Páscoa ou Domingo da Ressurreição é uma festividade religiosa e um feriado que celebra a ressurreição de Jesus ocorrida três dias depois da sua crucificação no Calvário, conforme o relato do Novo Testamento. É a principal celebração do ano litúrgico cristão e também a mais antiga e importante festa cristã.

A programação levou alegria e descontração aos que se encontram internados na unidade hospitalar, contribuindo no tratamento e processo de cura, além de levar alegria aos profissionais que se dedicam em prol da saúde do paciente e ao bom funcionamento do hospital.

Parabéns a todos os que ajudaram a organizar mais este evento no Hospital Regional do Baixo Tocantins Santa Rosa.

Texto: Wellington Hugles/ASCOM/HRBTSR

Foto: Divulgação